Make your own free website on Tripod.com

Barbitúricos



Os barbitúricos surgiram no final do século passado, com a síntese do ácido barbitúrico a partir de uréia e do ácido malônico. O folclore da Farmacologia conta que o termo "barbitúrico" significaria "urina da Bárbara", pretensamente a doadora da urina para a uréia usada na 1ª síntese.

Desde que o Veronal®, o primeiro barbitúrico comercializado, apareceu em 1903, os barbitúricos foram usados como tranqüilizantes, indutores do sono, anticonvulsivantes e miorrelaxantes.

A partir de 1945, com o aparecimento de outros medicamentos mais modernos, menos tóxicos, e menos indutores de dependência, o seu uso foi sendo cada vez mais restrito.

Atualmente, somente três barbitúricos são comercializados legalmente no Brasil: o fenobarbital (Gardenal®), e o pentobarbital e tiopental, dois barbitúricos injetáveis com uso restrito ao ambiente hospitalar para uso em anestesia.

O fenobarbital é utilizado como anticonvulsivante em crianças com convulsões. Usado nestas condições, em crianças com convulsões, não causa dependência. O grande problema é a persistência do uso do fenobarbital após a puberdade, pois o mesmo é um medicamento barato. É recomendável substituir o barbitúrico por outro anticonvulsivante se esta medicação for necessária após a puberdade.

Barbitúricos já foram um problema de saúde pública na época em que eram extensivamente usados como calmantes e indutores do sono, pois causam dependência rápida e profunda. No entanto, hoje em dia, estão "ultrapassados" como drogas.

Infelizmente, por serem baratos e legalmente industrializados em diversos países, os barbitúricos são alvo de atividades ilícitas. Por exemplo, podem ser usados por dependentes em "coquetéis", associados a outras drogas, ou para deter efeitos colaterais desagradáveis de drogas estimulantes, ou para potencializar a ação de drogas depressoras do SNC, ou como alternativa na falta de outras drogas.

O uso conjunto com outros medicamentos é um perigo, pois os barbitúricos com outras drogas freqüentemente causam paradas cardiorrespiratórias.






Data de criação da primeira página da Associação na Internet: 22/05/98

Data da última atualização desta página: 30/05/00